Oscar, comida para lonely ones & livro bônus

>

Lembro-me de quando varava a madrugada assistindo a cerimônia do Oscar, sempre muito chata, longa e, normalmente, previsível no que concerne às premiações. De uns anos para cá deixei o glamour do tapete vermelho do Kodak Theatre para outros insones.  No máximo, o que atrai minha  atenção no dia seguinte (via jornais e tevê) são os looks (cabelos e vestidos). Quem conseguiu arrancar da memória aquele “vestido” que a Björk usou na premiação de 2001? Meu sub-consciente, vez por outra, ainda faz renascer (literalmente) aquele cisne em sonhos nada fofos…

>

>

Neste Oscar de 2011, nem os looks conseguiram lançar alguma faísca ou formigamento. A única coisa bacana é o movimento “pós-Oscar”. Somente com a aquisição do peladão dourado é possível fazer alguns filmes entrarem no circuito caipira. Verdade, por aqui não é qualquer blockbuster que consegue permissão para entrar nas salinhas. Perdi “Biutful”, o filme sequer passou de uma semana em cartaz… (ok, a culpa foi minha). Mas se eu quiser endemonizar meus olhos e mente, o Justin Bieber conseguirá fazer isso por “mais de mês”, quer apostar? De qualquer forma, mesmo que não tenha vencido, acho que finalmente conseguirei assistir “True Git” (“Bravura Indômita”), dos irmãos Coen. Dedos cruzados!

>

Culinária

>

Bem, apesar de andar muito ressabiada com frango (o que vai à mesa, não o bicho, propriamente dito) por conta dum documentário assustador sobre o uso de hormônios nos penosos. Tenho matutado à beça sobre isso. Já restringi o consumo de carne vermelha praticamente a zero (o blah blah blah dos antibióticos e afins ministrado nos bichos organizou um “apavoramento mental”), agora teria que tirar o frango da dieta? E ainda tem a questão de metais nos peixes.

>

Ok, já consumo (ainda que não muito feliz) proteína texturizada de soja, mas será que viverei à base daquilo pra sempre? Ok, ok, ok existe o tal do selo verde, indicando um caminho mais saudável no trato e preparo dos penosos, mas o preço ainda tá muito salgado. Também há a questão dos pesticidas e outros blahs em vegetais e legumes. Diacho, essa tal de modernidade vai acabar me fazendo viver de luz? Oh no, peralá, ainda tem há a problemática do sol e seus efeitos nocivos. Está cada vez mais complicado se alimentar e não ter a sensação de culpa ou mesmo ficar com certas preocupações…

>

AFF! Acho que desligarei a coisa do politicamente correto e deixarei as preocupações em suspenso… Por que falei das comidinhas proibitivas segundo o mundo verde? Bem, porque encontrei a receita abaixo. De repente, saber que o franguinho tem mais hormônios do que eu perdeu um pouco da importância… [clique na imagem e você será redirecionado ao site em que achei a receita e muitas outras delícias rápidas].

>

>

 

Frango recheado com espinafre

Ingredientes

4 filés de frango

1 maço de espinafre
2 dentes de alho
azeite
sal
pimenta do reino preta moída
palito de dente

>

Passo a Passo

>

1. Comece levando ao fogo para ferver, uma panela com água. Enquanto aquece, retire as folhas do espinafre e jogue os talos fora.

2. Coloque as folhas na água quente e deixe por 3 minutos. Escorra e pique o espinafre.

3. Em uma frigideira, coloque um fio de azeite, o alho já picado e doure. Em seguida coloque o espinafre, deixe secar por uns 5 minutos e tempere com sal e pimenta.

5. Pré aqueça o forno em 180º C.

6. Agora vamos rechear o frango. Abra os filés já temperados com sal e pimenta e coloque um pouco de recheio, varia a quantidade com o tamanho do filé, mas não coloque muito. Vá enrolando o filé até formar um rocambole de frango e prenda com palitos de dente.

7. Em uma assadeira, coloque um outro fio de azeite e disponha os filés enrolados e presos no palito, sempre com a parte onde foi fechada para baixo.

8. Asse por 20 minutos ou até dourar levemente em cima e está pronto!

>

Ainda não testei a receita, mas acho que não tem como dar errado, preciso dar um pulo no supermercado e revitalizar minha geladeira… (rs). Não estou pronta pra voltar a ter carne em casa, mas franguinho é sempre mui bueno e voltará a ser bem-vindo.

>

Entre estantes

>

>

Hm, mudando totalmente de assunto, por renovar a assinatura da Folha de S. Paulo ganhei “Um certo capitão Rodrigo”, do Érico Veríssimo, da coleção “Folha – Grandes Escritores Brasileiros”. A Folha já foi bem mais generosa em termos de prêmios, bônus etc. e tal, mas confesso que fiquei entusiasmada. Confesso também que minhas prateleiras não conhecem obra alguma do grande Érico Veríssimo. Outra confissão (um tanto mais óbvia pra quem acompanha os posts daqui) é que nem me lembro da última sensação de encantamento por um romance nacional. Duvido que o Veríssimo-Pai não seja capaz de me seduzir. Interessante oportunidade de mudança de perspectiva literária (e geográfica) e que ainda serve como homenagem à literatura gaúcha que perdeu ontem Moacyr Scliar, um dos contistas mais ilustres da Terra de Pindorama – ok, ele não era somente um contista, mas era a verve que eu mais admirava. Homenagem torta, eu sei, mais ainda assim homenagem, né?

>

snakebites

>

ps -> só para continuar a registrar meu medinho: será que dá pra passar a Copa & Olimpíadas pra outro interessado? Camaradas, não tô nem falando da grana que vai escoar pra bolsos já bem abarrotados de notas de todas as raças e cores, mas caramba, alguém viu o estado que o Morumbi ficou ontem (SPFC 1 x 1 Palmeiras, pelo Paulista)? Isto é, se no melhor estádio de São Paulo aconteceu aquele charabiá todo, imaginem o que pode ocorrer com os outros estádios feitos às pressas?? Medo, medo, medo – pavor, pavor, pavor – terror, terror, terror…! A única coisa boa é que o mês das festividades esportivas não ocorre em períodos de chuva, mas eu desconfio de tudo, sacam “aquecimento global”? Doideira climática? É pois é… Toc-toc-toc!

>

ps 2 -> estão botando reparo no Liedshow? Cingo jogos, sete gols? A felicidade não está só ali na frente, a coisa está se firmando, ficando bonita de se ver… Será que rola uma performance a la 2009? hein?

>

novos snakebites

Sobre eudoras
Eudora continua (tentando) rumar à leste...

One Response to Oscar, comida para lonely ones & livro bônus

  1. Ben Hazrael disse:

    Heheheheh Nerda querida, o lance é fixar algumas coisas que são tensas mesmo. Por exemplo, gosta de devorar um frango, priorize o frango caipira. A proteína da soja, bah, realmente tem de saber fazer, caso não saiba em menos de um mês já voltou a comer bife em todo café da manha. E realmente tem de ter imaginação, mas comer um frango xadrez vez ou outra não é tão tenso quanto comer todo dia. Ou então torne-se vegetariana.
    Múltiplos caminhos. Eu quero, o quanto antes, fazer um curso de gastronomia para ser mais independente na culinária do que já sou.
    Bjocas, querida nerda!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: